terça-feira, 28 de março de 2017

Amarildo - A Gazeta – ES


Cazo - Comércio do Jahu - SP


Dum - A Charge Online


Muita Responsabilidade

Um casal discute:

— Eu já estou cheia, Zé Eduardo! — reclama ela. — Tudo nesta casa sou eu quem tem de decidir...

— Mas, Solange...

— Se a empregada vai embora, eu tenho de arranjar outra, se as crianças vão mal na escola, eu tenho de descobrir o motivo, falar com os professores...

— Mas, Solange...

— Se a pia entope, eu tenho que arranjar um encanador...

— Mas, Solange...

— Se sobra dinheiro, tenho que procurar o melhor investimento...

— Mas, Solange...

— Se falta dinheiro, tenho que saber onde economizar... Pra mim chega!

— Tá bom, meu bem! Você tem toda razão! — e depois de uma pequena pausa. — O que você acha que nós devemos fazer?

Frank - A Charge Online


Genildo - A Charge Online


J. Bosco - O Liberal – PA


O Casal... Ih! Esqueci!

Aquele casal de velhinhos, muito simpático, resolveu procurar um médico porque os dois andavam um pouco esquecidos.

— Não se preocupem — sentencia o magarefe. — Isso é muito comum depois dos oitenta. A única coisa que vocês têm de fazer é comprar um caderninho e tomar nota das coisas que não querem esquecer.

E assim eles fizeram. Na noite seguinte, os dois estão assistindo TV, quando o velhinho se levanta e a mulher pergunta:

— Aonde você vai?

— Vou na cozinha. Tomar um pouco de café!

— Você não quer me trazer um pedaço de bolo?

- Claro!

— Então pega o caderninho e anota! Senão você vai acabar esquecendo!

— Imagina, velha! Imagina se eu não vou me lembrar de trazer um pedaço de bolo!

— Então, tá! Mas coloca um pouco de chantilly!

— Tá, bolo com chantilly!

— Não vai anotar?

— Não precisa!

Dez minutos depois o velhinho volta com um copo de água!

— Eu não falei! Eu não falei! — reclama a velhinha.

- Falou o quê, velha?

— Eu não falei pra você anotar? Cadê o comprimido?!

Jorge Braga - O Popular – GO


Luscar – A Charge Online


Myrria - A Crítica – AM


O Bebê Que Não Chorava

Aquele médico muito bicha após ter feito o parto, virou o bebê de cabeça para baixo, segurando-o pelos pezinhos e deu-lhe um tapinha na bunda:
- Chora!
O nenê permaneceu em silêncio.
Outro tapinha um pouco mais forte:
- Chora!
Silêncio.
Outro tapinha ainda mais forte:
- Chora!
Nada, o menino não dava um gemido sequer.
- Ah, é?! Você não quer chorar? - exclamou a bicha, caminhando até a janela. - Chora logo senão eu te jogo pela janela!
E, como o nenê não chorou, a bicha jogou-o pela janela.
Vendo aquilo, a mãe desesperada começou a gritar:
- Meu filho! Meu filho! O que você fez com o meu filho?!
E a bicha:
- É brincadeira, boba! Ele já nasceu morto!

Newton Silva – A Charge Online


Passofundo – A Charge Online


Pater - A Tribuna – ES


Aposta do Gaguinho

O Gaguinho fez uma aposta no boteco. Se ele pedisse uma cerveja sem gaguejar ganharia R$ 100,00. Respirou fundo, concentrou e mandou na bucha, sem gaguejar:
- Garçom, me serve uma cerveja!!!
- Que marca? Perguntou o garçom.
E o gaguinho:
- A A A Agora vo vo vo vo você me me me fu fu fudeu!!!

Pelicano - A Charge Online


Ronaldo - Jornal do Commercio – PE


Sponholz - Jornal da Manhã – PR